Criança espancada pelo pai morre no hospital em Imperatriz - Maranhão News

Post Top Ad

Criança espancada pelo pai morre no hospital em Imperatriz

Criança espancada pelo pai morre no hospital em Imperatriz

Share This

O bebê de apenas 11 meses morreu na noite dessa quinta-feira, no Hospital Municipal de Imperatriz, o Socorrinho


IMPERATRIZ – Uma de criança de apenas 11 meses, morreu na noite dessa sexta-feira (02), por volta das 19h, após ter sido internada no Hospital Municipal Infantil, o Socorrinho. A criança foi internada com crise compulsiva, em decorrência de um suposto espancamento, praticado há dois meses. Há, ainda, suspeitas de violência sexual.

No entanto, o delegado regional Eduardo Galvão ressalta que “ele não foi violentado. Ele foi levado ao hospital por causa de convulsões. A criança foi agredida no passado pelo pai, que foi preso. Os acusados são o pai e a mãe. Depois disso, ele foi colocado numa família substituta, só que desde essa primeira agressão a criança vinha sofrendo convulsões. A última vez em que levado ao hospital foi por força dessas convulsões, e ela acabou morrendo” explica o delegado regional, Eduardo Galvão.

Sobre a suspeita de abuso sexual, cometido por outra pessoa, o marido da avó da criança, o delegado afirma que “havia uma suspeita de um suposto abuso sexual. Contudo, não podemos afirmar que houve estupro. Só após o laudo vamos poder falar alguma coisa. Essa hipótese de abuso não tem nada de comprovado”.

A criança foi encaminhada ao hospital devido às agressões sofridas no passado, motivo que provocou as convulsões. “Vamos atestar se essas convulsões tenham alguma relação com as agressões sofridas no passado, praticadas pelo pai. Se tiver, ele poderá responder por homicídio”, destaca Galvão.

A Polícia Civil instaurou um inquérito para esclarecer o caso, inclusive foi solicitado um laudo, que visa esclarecer se houve ou não violência sexual.

Entenda o caso

O bebê teria sido agredido com um soco no mês de novembro pelo próprio, identificado como Evariston dos Santos Oliveira. Na época ele chegou a ser preso, mas acabou sendo liberado na Audiência de Custódia para responder pelo crime em liberdade. A mãe, uma adolescente também foi conduzida.

A guarda provisória da criança foi dada para a avó, Valdelice Bezerra, que na época registrou um Boletim de Ocorrência contra o pai do menino. Inclusive, ela disse que teria sido ameaçada por Evariston dos Santos.

Fonte: IMIRANTE.COM










Nenhum comentário:

Post Bottom Ad

http://www.maranhaonews.net/