Novos depoimentos devem colaborar nas investigações da morte de detento

Alan Kardec Dias Mota foi morto no último domingo na Unidade Prisional de Ressocialização de São Luís 4. O acusado do crime é o também detento Johnathan de Sousa Silva, assassino do jornalista Décio Sá, em 2012


O delegado Luigi Conde, titular do 12º Distrito Policial, no bairro do Maracanã, em São Luís, agendará novos depoimentos que devem colaborar nas investigações do homicídio do detento Alan Kardec Dias Mota, que foi morto no último domingo (7), na Unidade Prisional de Ressocialização de São Luís 4 (UPSL 4). O acusado do crime é o também detento Johnathan de Sousa Silva, assassino do jornalista Décio Sá, em 2012.

O caso aconteceu durante o banho de sol. Alan Kardec foi socorrido imediatamente pela equipe de segurança da UPSL 4 e chegou a ser levado ao Hospital Municipal Dr. Clementino Moura (Socorrão II), mas faleceu no fim da tarde.

“Nos próximos dez dias de investigação, tempo em que deverá demorar o inquérito policial, vamos ouvir outros detentos que participavam da rotina da vítima, servidores penitenciários e também familiares, se preciso for”, afirmou o delegado. “A princípio, uma desavença teria motivado o crime, mas precisamos desses novos elementos para definir o caso. A situação do autor não muda, pois o mesmo já é interno do sistema prisional”, explicou ele.

Johnathan de Sousa Silva, que já foi condenado a 25 anos de prisão pelo assassinato do jornalista Décio Sá, em 2012, prestou depoimento e foi inicialmente indiciado por homicídio qualificado, que é quando a vítima não tem chance de defesa.

Segundo informações do Governo do Estado, Alan Kardec não se enquadrava mais em nenhuma organização criminosa e, por isso, estava separado entre os detentos considerados neutros.

Fonte: MA10







Distributed by MyBloggerThemes | Designed by OddThemes