Sinalização eletrônica nas rodovias federais está desativada por falta de recursos

Nessa sexta-feira, pardais em toda a extensão da BR-135 amanheceram cobertos por sacos plásticos


Foto: Gilson Ferreira

Quem passou pela BR-135, na manhã dessa sexta-feira (15), foi surpreendido com uma cena inusitada, todos os equipamentos de controle de velocidades, mais conhecidos como “pardais”, estavam com suas lentes cobertas por sacos plásticos pretos. O motivo para isso, conforme o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), seria o cancelamento de recursos financeiros, pelo governo federal, para manter os equipamentos em funcionamento.

Na BR-135, entrada e saída de São Luís, todos os redutores de velocidades também estão com sacos pretos. No Km 2, na altura do bairro da Vila Itamar, nas proximidades da Superintendência de Polícia Rodoviária Federal, a equipe do Jornal Pequeno flagrou vários veículos com excesso de velocidade num trecho de grande movimentação de pessoas, fazendo a travessia da rodovia.

Já na Avenida dos Portugueses, nas imediações das vilas Isabel e Embratel, em frente à Unidade Mista do Itaqui-Bacanga, a travessia tem sido feita com bastante prudência pelos pedestres, pois com o equipamento fora de operação, veículos têm desenvolvido alta velocidade na região e avançando o semáforo, assim como a faixa de pedestres. Para Celso Almeida, que trabalha no ponto de mototáxi em frente à unidade de saúde, os veículos têm passado com mais de 60 km/h, mesmo com a faixa de pedestres e semáforo.

“Aqueles que não sabem que os pardais estão sem funcionar, ainda reduzem a velocidade e não ultrapassam o sinal vermelho”, observou. Em frente ao Hospital da Mulher, outro local onde o
redutor de velocidade está fora de operação, a imprudência dos motoristas tem sido frequente, de acordo com a professora Maria de Lourdes Cantanhede. “A gente observa primeiro o trânsito para investir numa travessia, ainda mais sem semáforo aqui em frente ao hospital. Temos que contar com o bom senso dos motoristas, para podermos chegar ao outro lado da rodovia”, contou a
pedagoga.

Apesar de os equipamentos de fiscalização eletrônica estarem fora de operação por tempo indeterminado, a PRF está atuando permanentemente com os radares móveis e estáticos em diversos trechos da BR-135, principalmente nos perímetros com grande índice de acidentes. O inspetor Jovino orienta ainda aos condutores para que não excedam a velocidade permitida nas rodovias, respeitem as placas de sinalização; e, assim, evitem acidentes.

NOTA DO DNIT

Por meio de nota o Dnit informou que “em virtude do cancelamento, pelo Poder Executivo Federal, através dos Projetos de Lei PLN n° 34/2017 e PLN nº 35/2017, de recursos para a operação dos equipamentos eletrônicos de controle de velocidade (radares – popularmente conhecidos como pardais), a Diretoria Colegiada do Dnit (sede em Brasília) determinou, em nível nacional, o cancelamento da operação desses equipamentos nas rodovias federais sob a sua jurisdição”. O Dnit comunicou ainda que “os equipamentos (radares) serão retirados”.

E que “a volta da operação desses equipamentos dependerá do aporte de recursos financeiros no orçamento federal de 2018”. O órgão esclareceu que “essa medida vale somente para os radares. As barreiras eletrônicas continuarão em funcionamento”.

OPERAÇÃO

Será lançada no dia 22 deste mês, às 9h, no Posto de Pedrinhas, a “Operação Rodovida”, desenvolvida pela Polícia Rodoviária Federal e parceiros. A operação engloba a fiscalização do movimento
nas rodovias federais de todo o país, no período das festas de final de ano: Natal e Ano Novo; férias escolares e Carnaval, com o objetivo de reduzir os números da violência no trânsito.






Distributed by MyBloggerThemes | Designed by OddThemes