Fernando Segovia define superintendentes da Polícia Federal em 10 estados

novembro 23, 2017

Novo diretor-geral manteve seis superintendentes e trocou quatro. Superintendentes são os chefes da Polícia Federal nos estados.


O diretor-geral da Polícia Federal (PF) Fernando Segovia definiu nesta quarta-feira (23) os delegados que vão chefiar a PF em dez estados.

Segovia decidiu manter seis superintendentes da gestão anterior e trocou quatro.

Mantidos

Os superintendentes que permanecerão são os seguintes:

  • Daniel Justo Madruga (Bahia)
  • Ricardo Andrade Saadi (Rio Grande do Sul)
  • Élzio Vicente da Silva (Distrito Federal)
  • Disney Rosseti (São Paulo)
  • Jairo Souza da Silva (Rio de Janeiro)
  • Delano Cerqueira Bunn (Ceará).

Novos comandos

Foram escolhidos novos superintendentes para os seguintes estados:

  • Paraíba: André Viana Andrade
  • Pernambuco: Cairo Costa Duarte
  • Amazonas: Alexandre Silva Saraiva
  • Maranhão: Cassandra Ferreira Alves Parazi
O novo diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segovia, durante solenidade de transmissão de cargo no Ministério da Justiça, em Brasília (Foto: Ueslei Marcelino/Reuters)

Nesta terça (21), Segovia confirmou que vai manter no cargo um dos delegados que coordena os trabalhos da Operação Lava Jato na Polícia Federal - Josélio Azevedo de Souza.

O delegado seguirá na Coordenadoria de Combate à Corrupção e ao Crime organizado. Josélio de Souza já chefiou os trabalhos da Lava Jato na PF e agora exerce a chefia dessa coordenadoria. Ele é especializado em investigações sobre desvios de recursos públicos.

Fernando Segovia assumiu a diretoria-geral da PF oficialmente na segunda-feira (20/11). Em entrevista logo após a cerimônia de posse, ele disse pôs em dúvida se "uma única mala" era suficiente para apontar se o presidente Michel Temer praticou o crime de corrupção passiva.

Em junho, a própria PF – que fez a ação controlada que resultou nas imagens do ex-assessor presidencial e ex-deputado Rodrigo Rocha Loures recebendo uma mala de R$ 500 mil de um executivo do grupo J&F – concluiu que os elementos reunidos no inquérito permitiram que fossem elaboradas as seguinte conclusões: pagamento de vantagem indevida pelo grupo J&F a Rodrigo da Rocha Loures imediatamente; e a Michel Temer, presidente da República, remotamente, em razão da interferência ou de suposta interferência no andamento do processo administrativo em trâmite na Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).


Fonte: G1 Brasília





COMPARTILHE...

ATENÇÃO: Somente os artigos assinalados não correspondem ao Blog Maranhão News e todo o conteúdo é de inteira responsabilidades de seus autores

LEIA MAIS ESSAS

Previous
Next Post »