Por medo de violência no parto, mãe leva pistola para maternidade - Maranhão News

Post Top Ad

Por medo de violência no parto, mãe leva pistola para maternidade

Por medo de violência no parto, mãe leva pistola para maternidade

Share This

Moradora de Itapecerica da Serra, em São Paulo, a mulher queria evitar complicações ao dar à luz um dos filhos

O processo de dar à luz o terceiro dos seus quatro filhos, em 2015, traumatizou a dona de casa Paula de Oliveira Pereira, de 28 anos. Moradora de Itapecerica da Serra, na região metropolitana de São Paulo, a mulher ficou por mais de 14 horas em trabalho de parto e sem acompanhante — embora a legislação assegurasse a ela o direito de ter um —, em um hospital público da capital paulista.

A situação piorou. Paula pediu anestesia, por causa das dores provocadas pelas contrações, mas não foi atendida. Na sequência, caiu da maca, de barriga no chão. Ouviu da equipe médica que o bebê não nascia porque ela era “fraca” e “não fazia força suficiente”. Em seguida, a enfermeira subiu em cima da gestante para tentar empurrar a criança. “Fiquei sem ar, minha barriga ficou toda roxa”, lembrou.

Para tentar evitar que a cena se repetisse durante o parto do quarto filho, no ano passado, a dona de casa entrou na maternidade com um objeto inusitado (e potencialmente letal): uma pistola. As informações são da colunista Rita Lisauskas, do jornal O Estado de S. Paulo.

No ano passado, já à espera do quarto filho, Paula economizou dinheiro para pagar por uma cirurgia cesariana em um hospital particular. Porém, não juntou o bastante. Motivada pelo desespero, conta a mulher, comprou a arma de fogo, às escondidas. “Eu planejava chegar na maternidade e pedir por uma cesárea. Se não fosse atendida, ia me matar. Sabia que não ia aguentar tudo aquilo de novo”, relembrou.

Pedido e prisão
Ao chegar na maternidade, após o rompimento da bolsa, o marido de Paula pediu por uma cesárea ao plantonista. Segundo ela, o companheiro ouviu grosserias de um médico, mesmo após relatar o sofrimento do parto anterior. “O médico disse que quem mandava ali era ele, que paciente não tinha escolha”, narrou. Angustiada, Paula mandou mensagem à mãe, contando que portava uma arma e tiraria a própria vida.

A avó do bebê correu para o hospital e avisou que a filha estava com uma pistola. Na sequência, a Polícia Militar foi chamada. Paula até conseguiu passar por uma cesariana. No entanto, foi separada do recém-nascido e presa logo após receber alta, três dias depois de dar à luz, por porte ilegal de arma. A dona de casa foi encaminhada a uma delegacia em uma viatura, algemada. Ficou na cadeia por 21 dias, período em que não amamentou o bebê e sequer o conheceu.

O advogado de Paula conseguiu que ela aguardasse o julgamento em liberdade. A audiência ocorreu no mês passado. A promotora de Justiça de Itapecerica da Serra, Daniela Dermendjian, pediu a absolvição da dona de casa. A juíza concordou. “Ela contou no depoimento que levou a arma para a maternidade para se matar se os médicos não fizessem a cesárea. A gente entendeu que ela queria se suicidar e suicídio não é crime”, explicou a promotora.

Quinto filho
Paula está grávida de quatro meses. Espera o quinto filho. Portadora do gene da trombofilia — condição que pode causar o entupimento de vasos sanguíneos —, ela não pode tomar anticoncepcional. Batalha por uma nova cesárea e, principalmente, por uma ligadura de trompas. Sabe que tem direito à esterilização por lei, por ter mais de 25 anos e pelo menos dois filhos vivos.

Entretanto, ainda demonstra insegurança, por não saber se sua vontade será respeitada. “Ainda não sei se vou conseguir. Já pedi para a médica do posto. Mesmo assim estou apreensiva.”

Fonte: Metrópoles







Nenhum comentário:

Post Bottom Ad

http://www.maranhaonews.net/