Maio Laranja: seminário aborda violência sexual contra crianças e adolescentes em Caxias - Maranhão News

18 maio, 2017

Maranhão News

Maio Laranja: seminário aborda violência sexual contra crianças e adolescentes em Caxias

O auditório do CESC-UEMA ficou lotado, na manhã de quarta-feira (17), na mobilização realizada pelo Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), Centro de Referência Especializado da Assistência Social (CREAS) e Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, em alusão ao "Maio Laranja", movimento nacional de combate à violência sexual contra crianças e adolescentes.

Estiveram presentes, representantes do poder executivo, legislativo, secretários municipais e setores da sociedade civil organizada.

"Esse momento tem uma importância muito grande para que a gente possa enfrentar esse alto índice de abuso sexual contra crianças e adolescentes que é avassalador. Felizmente nós temos uma juíza em Caxias que é fiscalizadora. Nós temos aqui em Caxias a Polícia Rodoviária Federal que realiza um trabalho exemplar, onde os pais irresponsáveis colocam suas crianças para serem exploradas por caminhoneiros", opinou o vereador Catulé, presidente da Câmara Municipal.

"Hoje é um momento muito importante, estamos mobilizando os diversos setores da sociedade da defesa dos direitos das crianças e adolescentes. A criança é desprotegida e cabe a nós do poder público levar aos pais a importância da conversa, do diálogo com seus filhos", disse Letícia Mabel, secretária de Assistência e Desenvolvimento Social.

"Hoje nós estamos reunindo a sociedade em geral, juntamente com as entidades que puxam este momento da campanha que é o CMDCA e a Assistência Social para que a gente possa chegar o máximo possível a sensibilizar a sociedade para que ela possa reforçar com a gente essa rede de proteção à criança e ao adolescente", lembrou Kátia Braga, presidente do CMDCA.

O ponto alto do maio laranja é o dia 18 de maio, Dia Nacional de Combate à Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes. As denúncias podem ser feitas por meio do disk 100. O tema foi abordado em uma mesa de debates, que teve por objetivo criar estratégias para o enfrentamento da violência sexual. Em 2016 Caxias registrou 50 casos de abuso sexual, em 2017 já são 10 casos. A maior preocupação é que as crianças estão sendo violentadas no lugar onde e deviam ser mais protegidas, em casa.

"O trabalho do CREAS é fazer com que esse tipo de violência contra crianças e adolescentes não mais existam. Trabalhar de maneira que essa violência, ela não continue. O nosso propósito é inibir esses agressores. Um dos maiores problemas é a questão intrafamiliar. Pesquisas recentes demonstram que entre os agressores, em primeiro lugar está o pai, em segundo lugar o padrasto e em terceiro lugar o avô. A violência, na maioria dos casos está dentro de casa", explicou Andréia Damasceno, coordenadora do CREAS.


O prefeito de Caxias, Fábio Gentil, reforçou que a prefeitura está engajada no respeito, na proteção e na garantia dos direitos das crianças e adolescentes no município. "Neste momento a prefeitura dá uma verdadeira demonstração, quando se trata do abusa a nossas crianças e nossos jovens. Estamos nos colocando à disposição para que todas as medidas sejam tomadas. Nós temos o compromisso com a sociedade de Caxias e as crianças são prioridade no município. Nós precisamos conscientizar, ter coragem de fazer as denúncias, precisamos fazer uma boa parceria entre o poder público e a sociedade".

Fonte: Ascom/ Prefeitura Municipal de Caxias

Maranhão News

Autor: Maranhão News

Apenas os artigos assinalados não se refere ao Maranhão News, e todo seu conteúdo são de inteira resposabilidaes de suas fontes.

Inscreva-se e receba nossas postagens por email :