Ex-marqueteiro do PT depõe à Justiça Eleitoral sobre chapa Dilma-Temer - Maranhão News

24 abril, 2017

Maranhão News

Ex-marqueteiro do PT depõe à Justiça Eleitoral sobre chapa Dilma-Temer

João Santana e a mulher, Mônica Moura, devem explicar acerto por campanhas eleitorais

João Santana (direita) deverá detalhar pagamentos
da Odebrecht
Heuler Andrey/23.02.2016/Folhapress
O ex-marqueteiro do PT João Santana, e a mulher dele, Mônica Moura, está sendo ouvido pelo ministro Herman Benjamin, do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), nesta segunda-feira (24) no TRE (Tribunal Regional Eleitoral) da Bahia.

Ao lado de André Luis Reis Santana, eles são testemunhas do processo que investiga a chapa Dilma-Temer. 

Os depoentes chegaram ao local acompanhados pelos advogados e também pelos advogados da ex-presidente Dilma Rousseff, que acompanham as oitivas.

O casal deverá explicar, por exemplo, como foram feitos os pagamentos pelas campanhas eleitorais que fizeram para o PT (Partido dos Trabalhadores) e a participação da empreiteira Odebrecht neste acerto.

Segundo a assessoria de imprensa do TRE-BA, os depoimentos estão sendo transmitidos por videoconferência para outros membros do TSE, que acompanham as narrativas, em Brasília. As oitivas não têm hora para terminar e a imprensa não tem acesso à sala de depoimentos.

Os três deveriam depor na última segunda-feira, dia 17 de abril, mas informaram o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que não compareceriam em razão de audiências anteriormente agendadas em Curitiba (PR).

A realização de novos depoimentos antes de a Justiça julgar o mérito da ação foi decidida pelo plenário do TSE, em julgamento ocorrido no dia 4 de abril.

A Corte tomou a decisão ao examinar duas questões de ordem na abertura do julgamento conjunto das ações que pedem a cassação da chapa presidencial Dilma Rousseff-Michel Temer, reeleita em 2014. Após as oitivas será dado prazo de cinco dias para as alegações finais das partes.

Mônica Moura e João Santana foram presos em fevereiro de 2016, durante 23ª fase da Operação Lava Jato, a Operação Acarajé.

Após seis meses de prisão, o casal fez acordo de delação premiada, homologado no último dia 4 de abril. Segundo as investigações da Lava Jato, há indícios de recebimento de dinheiro de caixa dois, para a realização da campanha eleitoral que reelegeu Dilma Rousseff e Michel Temer, em 2014.

Maranhão News

Autor: Maranhão News

Apenas os artigos assinalados não se refere ao Maranhão News, e todo seu conteúdo são de inteira resposabilidaes de suas fontes.

Inscreva-se e receba nossas postagens por email :