Presos fogem de presídio em Pedrinhas, mas são recapturados - Maranhão News

Post Top Ad

Presos fogem de presídio em Pedrinhas, mas são recapturados

Presos fogem de presídio em Pedrinhas, mas são recapturados

Share This

Fuga foi registrada no início da manhã desta segunda-feira (07). Rafael Serra e Antônio Assunção Sales foram recapturados pelo GEOP.


Cadet abriga presos que não integram facções criminosas
(Foto: Divulgação/Ascom)
Dois presos da Casa de Detenção (Cadet), no bairro de Pedrinhas, em São Luís, fugiram do complexo penitenciário no início da manhã desta segunda-feira (07), mas foram recapturados horas depois por agentes do Grupo de Escolta e Operações Penitenciárias (GEOP). Os detentos foram identificados como Rafael Serra e Antônio Assunção Sales.

No dia 24 de fevereiro, outro detento que conseguiu pular o muro a Central de Custódia de Presos de Justiça (CCPJ) de Pedrinhas foi recuperado pelo GEOP. Francielton Gonçalves dos Santos estava escondido em uma invasão, nas imediações do Complexo de Pedrinhas, e foi reconduzido à unidade prisional, onde responderá a Processo Disciplinar Interno (PDI).

Sobre a fuga, a Sejap informou ao G1 por meio de nota que os detentos responderão a Processo Disciplinar Interno (PDI). A nota inteirou ainda que uma sindicância foi aberta para apurar as reais causas da fuga e saber se houve facilitação.

Leia a nota na íntegra
A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Sejap) informa que os presos Rafael Serra e Antônio Assunção Sales foram recapturados por agentes do Grupo Especial de Operações Penitenciárias (Geop). Os detentos fugiram na manhã desta segunda-feira (7), da Casa de Detenção (Cadet) de Pedrinhas, por volta das 5h20. A Sejap informa, ainda, que os dois internos responderão a Processo Disciplinar Interno (PDI), e que uma sindicância foi aberta para apurar as reais causas da fuga e saber se houve facilitação.

Governo falha em Pedrinhas

O relatório "Violação continuada: dois anos da crise em Pedrinhas", da ONG Conectas em parceria com outros órgãos, divulgado no dia 1º de fevereiro, revelou que os governos Federal e Estadual falharam no cumprimento das medidas aplicadas contra o Brasil em 2013 e 2014 pela Corte Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estado Americanos (OEA).

A ONG avaliou que são contínuas as violações de direitos humanos, com presos submetidos a tortura, comida estragada, celas hiperlotadas, higiene precária, e até casos de canibalismo, como noticiado pelo G1. “Os ossos quebrados e marcas de espancamento foram substituídos pelo uso do spray de pimenta e pelas bombas de gás lacrimogêneo, frequentemente disparadas para dentro das celas”, ressalta Sandra Carvalho, coordenadora da Justiça Global, sobre métodos de tortura utilizados para punir e castigar detentos.

Fonte: G1 MA

Nenhum comentário:

Post Bottom Ad

http://www.maranhaonews.net/