MA NEWS
http://www.cabocampos.com.br/

MP apreende provas de crime de racismo contra Maria Júlia Coutinho

Justiça determinou 25 mandados de busca e apreensão em oito estados. Suspeitos foram levados ao Ministério Público para se explicarem.

video
O Ministério Público de São Paulo comandou uma operação em oito estados para apreender provas por crimes de racismo contra a jornalista Maria Júlia Coutinho. Os suspeitos foram levados ao Ministério Público para se explicarem.

O Ministério Público, com o apoio da Polícia Militar foi a uma casa, na zona norte de São Paulo buscar um dos investigados pela participação dos ataques racistas. Os policiais entraram pelos fundos da casa e apreenderam o computador do auxiliar de produção Kaíque Batista, de 21 anos. Ele disse que não publicou nada no seu perfil.


“Não, meu grupo não, agora, o grupo que publicou, eu sei quem foi, e eu vou falar. Não vou segurar o rojão de ninguém.

Os grupos são grandes. Só nessa fase a justiça determinou 25 mandados de busca e apreensão em oito estados. 

Em Fortaleza, foram apreendidos quatro celulares e um notebook. O suspeito foi convidado à prestar esclarecimentos, mas se recusou e agora vai ser notificado formalmente para conversar com os promotores. O perfil era falso e foi apagado.

“Logo em seguida a injúria que o caso veio à tona, o perfil foi desativado mais isso não impede evidentemente de se chegar, de se identificar a localização exata de onde saiu essa mensagem criminosa”, explica o promotor de justiça Manoel Epaminondas.

Um dos líderes dos ataques foi encontrado em casa, em Sorocaba, no interior de São Paulo. No celular dele os promotores encontraram outros grupos com mensagens racistas. A polícia de Rio Verde, interior de Goiás, descobriu que parte dos ataques partiu de um adolescente de 16 anos.

O crime contra a jornalista Maria Júlia Coutinho foi em julho deste ano. A apresentadora foi alvo de ataques racistas nas redes sociais. No Jornal Nacional Maria Júlia falou sobre a importância de combater o preconceito e agradeceu os apoios que recebeu. “Os preconceituosos ladram, mas a Majuzinha passa”.

No Ministério Público de São Paulo Kaíque falou o que sabia sobre outros suspeitos. Ele apontou para o promotor os grupos que escrevem mensagens racistas. Disse que na internet, eles se envolvem nesses crimes porque consideram a rede uma terra sem lei.

O promotor diz que não é bem assim. Identificados os agressores deverão responder pelos crimes de injúria, racismo e organização criminosa.

“Podemos pensar em penas que vão variar de dois a cinco anos no caso de racismo, de um a cinco anos no caso de injúria, um a três anos, no caso de organização criminosa e as penas vão sendo somadas”, fala o promotor Christiano Jorge dos Santos.


Fonte: Walace Lara

1 comentários:

Telmo Kiguel disse...


Dificilmente diminuiremos estas ocorrências se não houver interesse em definir e prevenir as ações dos racistas como vemos em:
http://saudepublicada.sul21.com.br/2015/09/21/de-onde-partira-a-iniciativa-de-prevenir-a-conduta-discriminatoria-racista/